Endereço:

Av. Ademar de Barros, s/n°

Campus Universitário de Ondina
Salvador, BA | prohpor.ufba@gmail.com

 

© 2014 por Grupo PROHPOR. Orgulhosamente criado em comemoração aos 24 anos do Grupo.

  • b-facebook

MORFOLOGIA E LEXICOLOGIA HISTÓRICAS

Projeto 02

Todos os nomes - análise sociohistórica, mórfico-semântica e etimológica da antroponímia baiana

 

O projeto Todos os nomes: análise sociohistórica, mórfico-semântica e etimológica da antroponímia baiana foi desenvolvido entre os anos de 2007 e 2009, coordenado pelas pesquisadoras Aurelina Ariadne Domingues Almeida, Juliana Soledade e Tânia Lobo. E embora tenha sido encerrado no âmbito das pesquisas coletivas, continua tendo desdobramentos em trabalhos individuais de mestrado e doutorado levado a cabo pelos nossos orientandos. 

 

O projeto desenvolveu uma análise sincrônica da antroponímia brasileira em área baiana - destacando os prenomes -, a partir de um corpus constituído por 3.986 nomes próprios, correspondentes ao total de candidatos aprovados no processo seletivo para ingresso na Universidade Federal da Bahia (UFBA) no ano de 2005. O projeto Todos os nomes buscou, para além de estabelecer as bases teórico-metodológicas da investigação, fazer um mapeamento do significativo espectro de questões que o estudo da antroponímia suscita.

 

O projeto envolveu o desenvolvimento de sete subprojetos que foram executados  por estudantes pesquisadores de iniciação científica. Os subprojetos tiveram a finalidade de enfocar questões relativas à antroponímia, no que se refere aos processos de formação, significação, origem e implicações socioculturais.

 

A antroponímia é um campo privilegiado de investigação porque provoca a inter-relação entre questões de ordem sociohistórica, semântica, mórfica e  etimológica. Contudo, pode-se considerar ainda relativamente parco o conhecimento acadêmico que se tem acerca do léxico e, mais precisamente, da antroponímia brasileira, pois, apesar de ser possível encontrar um número significativo de textos sobre nomes próprios em português, muitos são ainda de cunho informal, dada a curiosidade que os falantes têm sobre o significado e a origem de seus nomes. As obras mais completas referentes aos antropônimos luso-brasileiros são o Dicionário etimológico da língua portuguesa: nomes próprios, de Antenor Nascentes, do ano de 1952, e o Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa, de José Pedro Machado, do ano de 1981.

 

 

OBJETIVOS

 

O Projeto Todos os Nomes enfocou três tópicos gerais - teoria lexicológica dos nomes próprios, análise sociohistórica da antroponímia baiana,  análise mórfico-semântica e etimológica da antroponímia - desdobrados em um conjunto de questões abaixo explicitadas, a que se procurou responder:

 

  • Teoria lexicológica dos nomes próprios:

 

O que são antropônimos?

Qual o lugar da antroponímia no léxico das línguas?

Como se estrutura o léxico antroponímico de uma língua?

Qual a origem dos antropônimos nas línguas humanas?

 

  • Análise sociohistórica da antroponímia baiana:

 

Como variam os critérios de atribuição de nomes em função da diversidade linguístico-cultural?

Os critérios de atribuição de nomes em Portugal foram herdados pela antroponímia baiana?

Quais os critérios de atribuição de nomes nas línguas africanas e indígenas com as quais o português europeu entrou em contato na Bahia?

Como, quando e por que africanos e indígenas foram expropriados de seus nomes na história linguística da Bahia?

Qual a relevância da influência cultural estrangeira, em geral, e  norte-americana, em particular,  na atribuição de prenomes na Bahia?

Existe relação entre variáveis extra-lingüísticas e a neologia antroponímica baiana?

 

  • Análise mórfico-semântica e etimológica dos antropônimos levantados:

 

Que processos de formação de palavras são produtivos na produção de nomes antroponímicos?

Quais os étimos mais produtivos na antroponímia baiana?

Como a semântica atua em nível mórfico e vocabular dos antropônímos?

 

Foram ainda objetivos específicos deste projeto:

 

apresentar um quadro, ainda que preliminar, da antroponímia baiana, organizando um livro constituído por estudos de caráter lexicológico, mórfico-semântico, etimológico e sociocultural, visando a responder às questões levantadas anteriormente; (Em curso)

 

digitalizar o Dicionário etimológico da língua portuguesa: nomes próprios, de Antenor Nascentes (1952). (Objetivo não alcançado)

 

O projeto, também, objetivou a formação contínua de estudantes pesquisadores  de graduação e pós-graduação capazes de desenvolver um pensamento crítico acerca da antroponímia.